quarta-feira, 13 de abril de 2011

O Dulgente


Se indulgente é aquele que tem disposição para perdoar , compreender ou desculpar e que mostra disposição favorável a algo; e se “in” é, em muitas vezes, empregado no sentido de negação. Numa (in)lógica, a negação de indulgente, seria O “Dulgente”

O Dulgente é aquele que não tem disposição para perdoar, se desculpar, compreender; é aquele que, por essência, é intolerante a algo ou alguém.

Digamos que dentro de cada um de nós vive O Dulgente. Ele está ali, sempre pre-julgando e criando pré-conceitos sobre algo ou alguém. É como se ele fosse aquele diabinho que fala em nossa cabeça nos induzindo a algo que racionalmente (muitas vezes) sabemos que é errado, mas no emocional, ele está lá esperando uma fragilidade para nos dominar. Ele é responsável, muitas vezes, por nos tornarmos pessoas melhores, por nos desafiar e por nos dar a oportunidade de lutarmos contra nós mesmos e superarmos nossas falhas humanas.

Todos nascemos com essa disposição. Somos disciplinados a não aceitarmos o diferente do que somos, talvez por sobrevivência, talvez por instinto ou talvez por autoproteção.

Independente do motivo, o problema se dá quando o “diabinho”  ganha do “anjinho” e o que era uma disposição se torna uma opinião, ou pior, uma ação.

Quando nosso Dulgente esta simplesmente voltado para nossos conflitos pessoais, ok. Quando ele passa a se tornar uma opinião e uma ação, já saímos de nossa esfera pessoal e passamos para a social. Podendo, assim, desrespeitar aquele que é diferente de nós ou até cometer atos violentos levantando bandeiras fóbicas.  

Para agravar a situação quando O Dulgente começa a ganhar força social (em mais de muitas pessoas), nos deparamos na sociedade atual. Onde a intolerância ao diferente e o individualismo nos fazem prisioneiros de nós mesmos e de nossos problemas. Onde a disposição para perdoar se torna uma vergonha, desculpar uma glória e compreender um tesouro.

Ai sim precisamos voltar ao “in” e fazer uma negação a nós mesmos, nossa sociedade e nossa era; E, assim, nos tornarmos mais indulgentes, dividualistas e tolerantes.
Menumak - Iara Margolis

4 comentários:

  1. Gostei! Ultimamente estamos nos deparando com muitos casos de "dulgência", a intolerância levada aos mais altos níveis de loucura. Casos como Columbine, Virginia Tech e agora recentemente Realengo, no Estado do Rio, são bons exemplos de intolerância que desencadearam em atos de loucura e maldade. Respeitar, perdoar e aceitar as "diferenças" com certeza nos eleva como seres humanos. O diabinho, quando devidamente enfrentado, nos faz evoluir e amadurecer.

    ResponderExcluir
  2. Não tinha pensado neste ponto de vista, mas concordo plenamente! As pessoas precisam rever suas condutas, dar realmente sentido as suas vidas. Parabéns pelo texto.

    ResponderExcluir
  3. O excesso de individualismo nos afasta da pessoas e nos torna seres egoístas. O mundo perde cada vez mais a sensibilidade!!!

    ResponderExcluir